O Herói-Estereótipo

O Herói Americano.

Já pararam pra pensar que o “Super herói americano”, o homem de aço, o homem-extraterrestre absurdamente forte, que voa, que resiste a tiros, que tem visão de calor, que destrói criaturas alieníginas grotescas e que é basicamente invencível não deixa graça ou suspense algum numa história em quadrinhos?

Numa analogia porca, ler historinhas do SuperMan é equivalente à passar um sábado num jogo de Playstation 3 repetitivo e fácil. Leia trinta edições seguidas do homem de aço e me diga, qual é a novidade? Talvez seja a mesma sensação de atravessar a fase 1-1 do Mario Bros. In-Loop trinta vezes.

Para dar uma noção mais palpável (adorei essa palavra desde que usei-a no último post), veja só a lista de habilidades que a Wikipedia disponibiliza quando refere-se a Superman:

“força sobre humana, resistência, invunerabilidade, sopro congelante, super audição, poderes extra-sensoriais e visuais, longevidade, vôo, inteligência e regeneração.”

O ponto é…
Vamos deixar o ponto pra depois do link.

Isso se nenhum alien de sunguinha exageradamente poderoso vier chutar meu traseiro antes que eu continue.
Agora que eu me toquei: Imaginem se os et’s  do filme “Guerra dos Mundos” fossem todos iguais ao SuperMan. Aí sim estaríamos em apuros, não concorda?

Continue lendo

Let’s Watch The Watchmen

"Tonight, a comediant died in New York"

Eu canso de heróis invencíveis, super fortes e poderosos. Derrubar um monstro mais alto que arranhacéus com um soco, impulsionando-o para os prédios bambeam e caem, destroindo metade de Manhattan, que sempre é reconstruída na manhã seguinte. É sempre em Manhattan. Aliás, Superman, o que diabos tem em Metrópole? Um imã gigante que atrai criaturas da Matrix em períodos semanais estabelecidos? Porra!

Em meus anos ao lado das revistas em quadrinhos, sempre tive preferência por heróis que existissem por uma razão lógica, no mínimo plausível para uma mente de seis anos. Sim, eu sei que Tony Stark explodiria com o coração da armadura, mas eu gosto dele mesmo assim. Ainda é mais plausível do que um homem que começa a soltar teias do dia pra noite, compreendido?

Mesmo sendo menos imaginativos, é óbvio que não se pode deixar passar as maluquices de meus personagens favoritos, como o DareDevil (Demolidor), Capitão America e até o próprio Homem-de-Ferro. Sempre achei que ninguém jamais exploraria os heróis de forma perfeitamente realista: Um defensor da sociedade sem super poderes, com uma história totalmente plausível. Nunca achei que veria algo plenamente humano nesse universo da Marvel & DC Comics.

Até me apresentarem Watchmen.

Continue lendo