O Futuro e a Distopia Futurista

O texto à seguir veio de horas de reflexões estranhas. Em tese, eu deveria cair numa onda de LSD antes de escrever sobre isso.

Nesse momento, são 1:20 da manhã de domingo, dia dezoito de abril. Acabei de voltar do jantar de aniversário de quarenta e nove anos da minha mãe, onde, como de costume, ignorei os assuntos da mesa na maior parte do tempo; fiquei pensando enquanto o garçom colocava o couvert – cujo preço se iguala aos meus almoços cotidianos no kilão. Não sei quanto a vocês, mas eu nunca pagaria dez reais por pães e manteiga.

Somando minha falta de saco às três horas de espera que eu lutarei bravamente contra para assistir à Fórmula 1, resolvi publicar isso de uma vez. Com ‘Rust in Peace’ rolando no iTunes e Futurama sem som na televisão – provando a teoria da geração multitasking – aqui vou eu:
Quais são as mudanças de comportamento, opiniões e tudo mais relacionado a você, no futuro e no passado?

Yep. Tão estranho quanto os tênis incombustíveis de Michael J.Fox, não?
Vejamos adiante.

No dia em que redijo essa postagem, não sei uma porrada de coisas sobre o futuro. A Copa do Mundo na África do Sul será daqui a alguns meses; após esse tempo, eu saberei quem ganhou a taça – hoje, me limito a arriscar que será a Espanha. Aliás, pessoal do futuro, se eu acertar: CHUPA, CHICO XAVIER!

Essa é mais ou menos a lógica. Em sumo, somos mais burros no passado.
Quanto mais vivemos, mais aprendemos, do the math.

Nos anos posteriores, você tem opiniões diferentes. Filmes que você julgava bons vêm até sua mente acompanhados do pensamento “Como é que eu via alguma qualidade nisso?”. Acredite, quando tinha dez anos, A Ameaça Fantasma era o meu filme favorito. Falando nisso, um dos poucos longa-metragens que assisti quando criança mas até hoje acho muito legal é O Estranho Mundo de Jack, assisto essa porcaria todo natal.

Os efeitos especiais de Avatar serão logo esquecidos com o surgimento de inovações cinematográficas e ninguém lembrará de verdadeiros clássicos da ficção-científica ou do cult-trash, como, respectivamente, Blade Runner e Warriors: Os Selvagens da Noite.

Mais pra frente os ideais míticos de tecnologia serão derrubados, assim como as teorias sobre carros flutuantes que surgiram no fim do século XX, que pareciam tão plausíveis e promissoras. O século XXI foi uma decepção para os grandes falastrões que se inspiravam nos Jetsons.

Os admirados consoles da nova geração serão o Super Nintendo dos nossos sucessores. As crianças – e nerds de 40 anos – desse tempo surreal desprezarão qualquer classe videogamística que não contiver realidade virtual em seus atributos. E Super Mario? Ainda será o clássico que é? Qual será o preço de um Atari daqui a cem anos? É literalmente uma pergunta que só o tempo poderá responder.

Um dia o cabelo emo de chapinha será para a sociedade futurista o que o mullet é para nós hoje em dia. Tendo isso acontecendo ou não, alguém que leia essa suposição nos tempos que ainda estão por vir achará engraçada essa curiosidade dos antepassados.

Filmes, assim como tendências e ideais da sua época de ouro, irão embora, como lágrimas na chuva.

Como eu disse no início, esse texto é uma viagem de crack.

Eu não sei nem o futuro do Nostalgia Futurista – o que acontecerá com esse blog daqui a um ano? Ele perdurará tudo isso? Se sim, daqui a exatos 365 dias eu voltarei nesse post e deixarei um comentário do tipo “I Told You I’ll Be Back”.

E, pra piorar a situação que você já não entende, o futuro pode não trazer nada de novo: O mullet e a calça boca-de-sino continuarão sendo feios e sinônimos de MacGyver; Stallone Cobra e Embalos de Sábado a Noite ainda serão lembrados como pérolas mal produzidas do cinema e os PlayStations 3, XBOX 360 e Wii’s ainda serão bastante vistos nas prateleiras dos gamers.

Imaginem só o que uma máquina do tempo ou um DeLorean modificado por um cientista maluco poderá fazer nesse contexto? Acabei de distorcer e modificar uma distopia – pararei por aqui antes que acabe confundindo a mim mesmo.

Sem falar que já são três da manhã e começará O Segredo de Brokeback Mountain na FOX. Esse filme ainda será cult daqui a trinta anos?

Esclareçam-me amigos do futuro. E digam também se eu acertei o campeão da copa; essa é uma constatação importante no mundo atual.

Anúncios

Uma resposta

  1. Voce errou, quem ganhou foi a Gana

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: