iPad: O Fail da Apple?

Fail ou não, o design é atrativo.

O título logo acima é bastante corriqueiro nos blogs de tecnologia, que tomam posição de páginas anti-apple online. A empresa de Steve Jobs vem dominando o mercado com gadgets portáteis desde o lançamento do iPod.

O argumento principal dos haters foi que o iPad é desprovido de funções multitarefas, de câmera e de suporte à flash. Toda primeira versão de produtos de sucesso foi um estouro de venda, um show inacreditivável de uma deslumbrância colossal? Dessa eu não sabia.

Ele possui sim problemas. O iPhone 1G não foi lá essas coisas, hoje, provido de 3G, é o celular mais cobiçado do mundo. Todas essas disfunções do iPad não poderiam ser resolvidas numa segunda versão? A Apple fez um crime iminente e imperdoável ao criar um projeto de potêncial inimaginável que, adiante, poderá se tornar na maior inovação futurista de todos os tempos? Antes de toda essa maluquice, que diabos é o iPad?
Destrincharemos.

Continue lendo

Equilíbrio Diário

Eu prometi, já faz um tempo,  contar minha epopéia com a VIVO e toda a putaria da operadora em ativar o chip do meu iPhone. Como já havia ocorrido há algum tempo e minha preguiça ficou lerdeando o texto, acabei deixando-o de lado, pensando que nunca iria ao ar.

Pois bem, hoje eu fui de novo na loja da maldita operadora e, pela quarta vez, saí de lá frustrado. Derrotado, deprimido e molhado por causa das frequentes – quase diárias – chuvas paulistanas. Aliás, é a maior temporada de chuvas desde 1947 – que resolve aparecer sempre que eu saio de casa.

Subindo o elevador já comecei a pensar como representaria, da maneira mais carnal e física possível, o furacão de ódio e fúria que consumia todas as fibras do meu ser. Estava escrevendo o post na cabeça. Você nota minha impotência ao perceber que a maior forma de protesto de qual posso me armar é uma postagem num blog. Fora ligar para o procon.

Ainda puto, ligo o computador e já abro o WordPress, pressionando com força cada teclinha. Passadas algumas horas, minha irmã e meu cunhado fazem uma visita surpresa aqui.

Revelaremos isso posteriormente. É impressionante uma notícia inverte totalmente a situação de um dia. Starting from the beggining:

Continue lendo

PSP x Nintendo DS

Não há no Google uma imagem mais apropriada do que esta para definir o duelo.

Há tempos queria tratar desse tema.
Como todo bom nerd, não me privo de torrar toda minha grana experimentando novos gadgets e jogos. Semana passada comprei meu primeiro Nintendo DS, bastante cético sobre sua qualidade em relação ao PSP, portátil qual eu já possuía há tempos.

Visitando fóruns e sites especializados em games, notei que ambos os consoles travam um combate mortal, nostálgico aos gamers old-school que viveram a época do Super Nintento X Master System. Nesse duelo, os dois portáteis estão muito bem munidos; porém, a qualidade de cada um não obscurece suas evidentes falhas.

Vamos passar um pente fino nessa história.

Continue lendo

O Primeiro Álcool de um Homem

Antes que os amigos próximos e familiares tenham um susto e me mandem para a rehab: Eu não sou chegado em bebidas, álcool, drogas ou cola. Coisas que te entorpecem e matam não entram na minha lista de favoritos, mas todos tem seus deslizes.
É muito eufemismo meu caracterizar esse evento como um deslize. O correto seria dizer que foi uma grande cagada.Deixo bem claro que narro essa história com meu maior bom-humor, mas é uma das poucas coisas que já vivi das quais eu não me orgulho at all.

Nos exploradores 15 anos, temos a mania de querer experimentar de tudo e achar que é nosso direito. Achamos que somos como ninjas da malandragem, fazemos o que queremos e temos certeza que ninguém nota nossas badernagens. Mesmo quando seu amigo está tão bêbado à ponto de por a camisa do lado contrário e insistir berrando, quase que inteligivelmente, que está sóbrio, somos sombras e ninguém nos nota. Servindo-me desse ideal, tive a pior noite da minha vida.

Hoje é só uma memória, portanto, sinta-se a vontade para rir da minha desgraça.
Começou assim:

Continue lendo

Diário de Bordo: México – Parte 2

O segundo vôo, partindo da capital mexicana com destino ao Brasil Baronil, parecia tranquilo. Após a aterrisagem realizada com a sutileza de um hooligan irlandês, a estadia no aeroporto internacional da cidade do mexico e o embarque ocorreram tão bem que achei que não ia nem ter material pra fazer o segundo Diário de Bordo. Claro, eu estava enganado.

Fiquei feliz ao ver que meu corpo cabia praticamente inteiro no assento do avião. Quando me acomodava na cadeira, pediram-me para trocar de lugar com um garoto, para que ele pudesse sentar ao lado dos pais. Cedi e acabei por sentar duas fileiras à frente do meu grupinho, ao lado de uma família nipo-brasileira que parecia bem simpática.

Não sei se citei na Parte 1 mas vale lembrar: A menininha dos últimos três vôos estava atrás de mim. De novo.
Tirando o fato do capitão avisar que teríamos duas horas de turbulência logo após a decolagem e três mais após um tempinho de estabilidade, tudo estava conforme os ajustes.
Mesmo tendo cinco horas de um sentimento comparável à dirigir na estrada de Joanópolis, eu estava mais sossegado. O vôo prometia menos sofrimento dessa vez. Ou não.

Continue lendo

Diário de Bordo: México – Parte 1

As longas viagens aéreas na classe econômica são fontes clássicas de piadas e de historinhas para rodas de buteco.Eu já viajei muito e infelizmente, enfrentei muitos vôos, mas essa volta ao Brasil foi aterrorizante.
Encontrava-me cercado em todos os pontos cardeais conhecidos pelo homem. Seres que só seriam socialmente aceitos se lidos numa obra de Edgar Allan Poe.
O avião era uma legítima fauna: Desde bebês chorões à cariocas sem noção. E é só o básico. Quer entender o sofrimento mais expressivo numa viagem de três horas? O link pra terminar de ler é ali embaixo.

Dividi a trama pois, além de ter ficado extremamente longo para um post só, minha epopéia teve duas partes: A saída de Cancún para Cidade do México e dali para minha querida capital paulista. Conexão aérea é algo realmente irritante. Ambos os vôos foram dignos de parábolas bíblicas. Os fatos que me ocorreram beiraram o surreal.

Duvida? Clicaí.

Se essa postagem tiver uma repercussão bacana, criarei uma nova categoria chamada Diários de Bordo.

Continue lendo

Cancún Quickpressing

Detalhes a parte: Um dia depois de postar, consegui acesso á um laptop – do qual estou escrevendo agora – que só utilizarei para dar uma ajeitadinha nos erros de concordância e colocar um link de Leia o resto desse post. Só vou deixá-lo mais bonitinho, o conteúdo ainda é o mesmo; e sim, foi digitado no iPhone e uploadado através do Quickpress. Sim, foi tenso.

Continue lendo